Osasco discute violência contra a mulher e outros temas

Dando continuidade a programação da Semana Municipal de Conscientização e Combate à Violência contra a Mulher, a Prefeitura de Osasco, por meio da Secretaria Executiva de Política para Mulher e Promoção da Diversidade (SEMUD), realizou na sexta-feira, 13/8, um seminário para discutir os “Avanços, Desafios e Perspectivas de Política de Enfrentamento e Combate à Violência de Gênero em Osasco”. O evento aconteceu na Sala Luiz Roberto Claudino da Silva, no Paço Municipal.

O seminário contou com a participação de especialistas sobre o tema, que entre os assuntos abordaram: Violência de Gênero e os 15 anos da Lei Maria da Penha, Protagonismo e Empoderamento da Mulher.

Representando o prefeito, a vice-prefeita Ana Maria Rossi discursou no encontro e chamou a atenção para o fato que a família como um todo sofre quando uma mulher é agredida. “Precisamos apoiar umas às outras e cuidar daquelas que estão mais vulneráveis. É importante lembrar que quando uma mulher é agredida, os filhos também sofrem. Muitas vezes eles deixam até de ir à escola por conta disso”, argumentou.

O deputado estadual Márcio Nakashima, que perdeu a irmã, Mércia Nakashima, vítima de feminicídio, participou do seminário e alertou que essa causa deve ser abraçada por todos. “Os homens têm a obrigação de combater a violência contra a mulher. Não podemos mais aceitar esse tipo de violência”, comentou.

A secretária SEMUD, Mônica Veloso, agradeceu a presença de todos e falou da importância da Semana Municipal de Conscientização e Combate à Violência contra a Mulher para o município. “Foi uma semana importante onde discutimos pautas bastante relevantes e que nos ajudam a construir políticas públicas para a cidade de Osasco”.

Apesar do calendário oficial estabelecer uma semana de atividades, a programação segue até o fim desse mês com ações nos bairros e nas comunidades.

Em Osasco, mulheres que se sentirem ameaçadas podem contar com a Guardiã Maria da Penha, serviço criado pela administração municipal, que possui guardas municipais treinados e instruídos quanto aos planejamentos específicos para o adequado atendimento humanizado e qualificado às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. O telefone é o 153.

Também participou do seminário a vereadora Elsa Oliveira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.