Combate à violência contra a mulher mobiliza vereadoras da região

Representantes de municípios da Região Oeste de São Paulo estão se unindo para construir um fórum de discussão de políticas públicas em defesa dos direitos da mulher. O foco estará nas ações de conscientização e prevenção à violência e ao feminicídio.

As vereadoras de Osasco Lúcia da Saúde (DC) e Dra. Régia (PDT) receberam representantes das câmaras municipais de Embu das Artes e Carapicuíba, da Prefeitura do Município de Osasco e da Ordem dos Advogados do Brasil – 56ª Subsecção de Osasco, para debater o tema.

Os trabalhos deve ser iniciados já em março, que é o mês dedicado à mulher, com uma grande caminhada de conscientização. A intenção é que o fórum aconteça no mês de maio.

“Queremos promover tudo que venha ao encontro da mulher no sentido da conscientização, porque a mulher não está na vida de um homem para apanhar ou ser morta, mas para ser valorizada”, diz a vereadora Lúcia da Saúde.

A Vereadora Dra. Régia, que é autora de um projeto de lei que envolve essa temática, acredita que essa primeira reunião é importante para Osasco e região, porque viabiliza o debate de assuntos que favoreçam a discussão de políticas públicas para as mulheres.

A Vereadora Rosângela Santos (PT), de Embu das Artes, ressalta que o encontro na Câmara de Osasco é o início de um projeto que permitirá cuidar das mulheres da região, por meio de políticas públicas “para defender os direitos das mulheres contra o feminicídio, a favor das creches e da melhoria na saúde”.

Já a Vereadora Cida Carlos (PT), de Carapicuíba, reforça que o tema do fórum é bastante atual, porque há um grande número de mulheres que estão se empoderando para tentar se libertar da violência que sofrem.

Dentre os assuntos em pauta, uma das principais reivindicações é que as delegacias de defesa da mulher funcionem 24 horas por dia e também nos finais de semana. Segundo as vereadoras, a medida deve auxiliar no registro de ocorrências de violência contra a mulher, em conjunto com outras ações, como a implantação de centros de atendimento específico às vítimas de violência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.