Programa de Reciclagem de Osasco inclui lixo eletrônico e gera mais renda às famílias beneficiadas

O programa de reciclagem do lixo em Osasco já atende a 30% dos bairros e, desde a última semana, o município passou a ter um direcionamento para o lixo eletrônico. Essas e outras informações foram passadas durante a Audiência Pública realizada na Câmara Municipal, na última sexta-feira (26), que discutiu economia solidária e agricultura urbana.
A Audiência Pública aconteceu por solicitação do vereador Ricardo Silva (PRB), que é membro da Comissão de Política Urbana, Meio Ambiente e Defesa dos Direitos do Consumidor de Serviços Públicos Municipais.
O encontro foi conduzido pelo vereador Batista Comunidade (Avante), que preside a Comissão, e pela vereadora Ana Paula Rossi (PR). Os Secretários de Obras, Lau Alencar, e de Desenvolvimento, Trabalho e Inclusão Social, Elsa de Oliveira.

Geração de trabalho e renda
Os programas mantidos pela Secretaria de Desenvolvimento Trabalho e Inclusão (SDTI), em parceria com as secretarias de Obras e Meio Ambiente, geram oportunidades de trabalho e renda para as famílias beneficiadas.
A técnica da SDTI, Cida Lopes, apresentou as ações promovidas pela Prefeitura e que auxiliam centenas de famílias.
Segundo ela, o programa de economia solidária ajuda as pessoas a resgatarem a cidadania por meio da incubadora pública de empreendimentos econômicos e solidários.
As incubadoras ajudam pessoas a empreenderem em projetos de agricultura urbana, reciclagem de lixo, artesanato, alimentação, dentre outros.
Os atendidos têm a oportunidade de participar das feiras de economia solidária, onde podem vender seus produtos diretamente à população.
Ainda de acordo com Cida Lopes, o programa de cooperativas de reciclagem hoje recolhe 100 toneladas de lixo reciclável por mês, e já está presente em 30% dos bairros da cidade.
Já o programa de agricultura urbana mantém 450 canteiros de plantio na cidade, beneficiando 44 agricultores urbanos e 200 famílias osasquenses.
A secretária Elsa de Oliveira anunciou a formalização de convênio com uma cooperativa para a reciclagem de lixo eletrônico. Esse tipo de resíduo é composto por itens como monitores de computadores, telefones celulares e baterias, computadores, televisores, câmeras fotográficas, impressoras e outros itens produzidos pelo descarte de equipamentos eletrônicos.
O programa já está em funcionamento no Parque Mazei e mantém parceria com empresas da cidade. “Nossa intenção é trabalhar a inclusão das pessoas e principalmente a questão do consumo consciente”, justificou Elsa.
O Secretário Lau Alencar, lembrou que essas políticas são previstas em lei e buscam ajudar as pessoas. “Temos muitos pontos que podem gerar oportunidade de expandir o programa das hortas, através de parcerias com empresas”, explicou. Atualmente, o município mantém uma parceria com o Mercado Livre.

Repercussão
O vereador Batista Comunidade defendeu a continuidade do diálogo entre o poder público e as cooperativas de reciclagem, que permitem a geração de trabalho e renda, por meio do direcionamento de materiais.
Já o vereador Ricardo Silva também defendeu as ações promovidas pela PMO que, segundo ele, têm aberto oportunidades para muita gente. “É um grande amparo para essas pessoas”, disse.
A vereadora Ana Paula Rossi finalizou o encontro parabenizando as equipes que atuam diretamente com esses programas. “O envolvimento de todos vocês é o que faz a diferença”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.