Grafite de Faviana Okamoto chega a Osasco para recuperar Viaduto Tancredo Neves

Nem os mais de 13 anos de profissão fazem com que Faviana Okamoto não se emocione todas as vezes em que defende o projeto que desenvolveu especialmente para transformar o Viaduto “Presidente Doutor Tancredo de Almeida Neves”, em Osasco-SP, na Grande São Paulo, no que ela chama de “galeria a céu aberto”. Nos dias 13, 14 e 15 de dezembro, a arquiteta paulistana, dois curadores e mais de 20 artistas prometem cobrir 450 metros quadrados de extensão do acesso com muita cor, criatividade e diversidade.
O Viaduto “Tancredo Neves” não ostenta apenas um ar ranzinza por força do cimento frio que o reveste em 32 anos de existência. Trata-se da maior ponte de Osasco, que cruza o Rio Tietê e une as Regiões Norte e Sul da cidade de pouco mais de 697 mil habitantes.
Para conceder novos contornos à estrutura, durante a ação social que recebeu o nome de “OKA – Arrumando a Casa”, Faviana calcula o uso de 640 frascos de tinta, 10 latas grandes de tinta látex branca, 50 uniformes, 20 macacões, 25 pares de luvas, além de óculos, fita-crepe e muita disposição para transformar o acesso num dos principais pontos turísticos culturais do município.
O trabalho conta com o apoio da Prefeitura de Osasco e com o patrocínio da Corante Tintas e da Colorgin – empresa com 45 anos de mercado e que, não de hoje, é referência no Brasil e no mundo em tintas spray. Formado em História da Arte, Arte Brasileira e Arte Contemporânea, Antonio Mosko é um dos curadores do projeto. Premiado no Mapa Cultural Paulista, pela Secretaria de Educação de São Paulo e nos concursos “Computer Arts” e “Close-up”, Mosko ainda contará na Curadoria com a companhia de Dingos Del Barco, fundador da Associação de Grafiteiros de Osasco e Região (A.G.O.R.), que abarca pichadores, skatistas e escritores voltados à arte urbana. Essa é a dupla que Faviana confiou a seleção dos artistas que vão se expressar via formas, elementos e desenhos no muro do Viaduto “Tancredo Neves”:
“Em 13 de dezembro, vamos preparar a base e cobrir toda a extensão do muro do acesso com tinta branca. No dia 14, daremos início ao trabalho com os artistas. Dia 15, finalizamos e entregamos a estrutura totalmente revitalizada para Osasco. Tenho verdadeira paixão pela arte urbana, na mesma intensidade que acredito que a Arte e o Esporte, tanto quanto a Educação transformam a sociedade para melhor”, defende a arquiteta de 36 anos.
Faviana não vai cobrar nada pela idealização e pela organização do “OKA – Arrumando a Casa” em Osasco. E mais: totalmente voluntário, o trabalho, segundo a profissional, tem tudo para chegar em outras cidades e regiões do Estado de São Paulo. A ideia é expandir a iniciativa e colaborar com os poderes públicos para a recuperação do maior número de espaços possível por meio da arte urbana:
“Reunir numa só ação cidadania e respeito pelo espaço público, ao mesmo tempo em que se resgata o sentimento de pertencimento de toda uma comunidade e se transforma um espaço vazio em arte pulsante, numa grande área de convívio. Este é o principal objetivo da ´OKA – Arrumando a Casa´”, avalia a arquiteta.

Preocupação Social
Faviana teve conhecimento da situação do Viaduto “Tancredo Neves”, em Osasco, quando ela e o filho mais novo, de 1 ano, foram até a cidade em busca de uma vacina que tinham de tomar e que não havia encontrado em São Paulo. A princípio, a profissional teve a ideia de recuperar a estrutura do posto de saúde onde foi imunizada. Ao ser informada que a Prefeitura já tinha um plano de recuperação para as Unidades Básicas de Saúde (UBSs), Faviana acolheu a sugestão de trabalhar o muro do maior acesso do município.
Casada, Faviana tem outro filho, de 3 anos. Graduada em Arquitetura e Urbanismo, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Faviana nasceu em Palestina, cidade do interior do Estado de São Paulo. Contudo, mora na capital há sete anos.
No Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul, Faviana trabalhou por oito anos, com ênfase em projetos públicos. Por alguns projetos que assinou, recebeu premiações importantes. Já entre 2010 e 2011, a empresa de Arquitetura que mantinha em Campo Grande-MS foi o da região que mais atendeu lojas de shoppings. Na empresa Todeschini, atuou por três meses. Em São Paulo, há sete anos é proprietária do escritório Okamoto Arquitetura, que tem sede no Alto de Pinheiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Em que podemos lhe ajudar?